Por que a Jornada do Candidato é importante para as organizações?

Quando falamos de recrutamento e seleção, estamos falando, também, em employer branding (marca empregadora), fator que tem um grande impacto na retenção de talentos e na conquista de mais clientes fãs para a marca. Como? Através da Jornada do Candidato, experiência que, se bem conduzida, faz toda a diferença na imagem que o candidato terá da organização que promoveu o processo seletivo.

Mas o que é Jornada do Candidato?

Assim como existe a Jornada do Cliente, que acompanha toda a interação do consumidor com a marca, também existe a Jornada do Candidato. Neste modelo, todo o processo de contato entre empresa e o possível candidato durante o recrutamento é devidamente pensado a fim de proporcionar a melhor experiência ao participante. É dividida em algumas etapas: Descoberta, Interesse, Candidatura, Seleção e Contratação.

Qual a importância da Jornada do Candidato?

Em um mundo onde a busca pela qualidade de vida é primordial e os meios digitais conectam facilmente pessoas de vários lugares, não é à toa que cada experiência seja extremamente importante para o indivíduo. Na hora de se candidatar a uma vaga, também. A Jornada do Candidato pode ser a responsável pela contratação e retenção de um ótimo talento, que se reconhecerá na cultura e objetivos da companhia; assim como pode resultar em um fã da marca, caso não seja contratado. O oposto também é verídico: dependendo da experiência do candidato na seleção, o resultado pode ser um colaborador que desistirá do processo ou não ficará muito tempo na organização, ou até mesmo um novo inimigo da marca, podendo disseminar uma imagem ruim da companhia.

Mas quais erros as empresas devem evitar na Jornada do Candidato?

Alguns dos erros mais comuns em processos de recrutamento e seleção e, consequentemente, na Jornada do Candidato, podem ser evitados. Alguns deles são fáceis de detectar:

  • Empresa e atribuições da vaga não claras: para encontrar os melhores talentos, é preciso que as pessoas se encantem pela empresa e pelo que irão fazer. Escreva sobre a organização, o valor, missão e objetivo. Essa descrição não precisa ser extensa e cansativa: ela pode ser feita por meio de um vídeo rápido do gestor solicitante da vaga explicando sobre como é trabalhar em seu setor, por exemplo. Além disso, especifique todos os detalhes da vaga, para que pessoas com aquele perfil sejam mais fáceis de encontrar;
  • Facilite na candidatura: nada de muitas páginas para preencher. A impressão que pode ficar é de que a empresa é cheia de burocracias, desmotivando possíveis talentos;
  • Seleção: foque em conhecer o seu candidato de maneira natural. Por exemplo, ao invés de focar em que o candidato pensa, invista em saber quais foram as atitudes dele, de acordo com a experiência profissional vivida, em determinadas situações. Nesse sentido, ao invés de perguntar “o que você faria em X situação”, perguntar “o que você fez quando você passou por esse tipo de situação”, “como você resolveu esse tipo de problema”. Dê feedbacks sempre e, durante o processo seletivo, comunique o status e atualizações sobre a posição trabalhada. Atualmente já existem softwares, como o Kenoby, que automatizam todo esse processo!
  • Contratação: simplifique! Se possível, diminua o tempo de resposta. Invista em uma integração para que a pessoa se sinta o quanto antes pertencente à nova empresa. Encante o candidato para que seu início naorganização seja apenas o começo de uma bela história construída com a colaboração de todos.

Vale lembrar que o respeito e cordialidade durante todo o processo de recrutamento e seleção, bem como o cuidado e carinho com cada candidato, fazem toda diferença para que o profissional tenha uma experiência incrível.

Quer mais dicas de como fazer um bom recrutamento e seleção? Fale conosco!

Compartilhe isso: